Artigos
  Acupuntura e o Estresse
 

EQUILIBRAR-SE PARA NÃO ADOECER

     Com o evidente avanço científico e tecnológico, houve muitas facilidades, criaram outros modelos, agilizaram os serviços, aumentaram a produção, com isso tudo o mundo gira mais rápido, o tempo tornou-se mais curto, e com todas estas transformações surgiram mudanças de comportamentos e de atitudes nas pessoas.
     As pessoas modificaram os hábitos, aumentaram as necessidades, as despesas e as preocupações, e com isso o ritmo de vida disparou. Vivemos um período mais Yang, em que predomina a energia masculina, mais competitiva, da ação, expansiva, dominadora, mais rápida, do ter (posse), em oposição a um período em que já evidenciamos e vivemos, a característica Yin, a energia feminina, mais cooperativa, da reflexão, introspectiva, conciliadora, mais calma, da doação (caridade).
     Na característica Yin, vivíamos um período mais contemplativo, parecia que o tempo demorava a passar, brincávamos mais, conversávamos mais, não tínhamos tanta pressa, apreciávamos mais o dia a dia. Agora vivemos sempre preocupados, ocupamos a nossa mente com o futuro, esquecemos de vivenciar o momento presente, com isso agitamos a nossa mente, inquietamos o nosso espírito, gerando ansiedade e preocupações muitas vezes infundadas.
     Um levantamento realizado pela International Stress Management Association no Brasil (ISMA-BR) em nov/06, constatou-se que sete em cada dez porto-alegrenses apresentam um nível de estresse regular ou preocupante - estágios nos quais o indivíduo apresenta um maior risco de contrair doenças, segundo o psiquiatra americano Richard Rahe, um dos pioneiros no estudo sobre o assunto.
     Afinal o estresse é bom ou pode ser prejudicial à saúde? Do ponto de vista do conceito básico do estresse, ou seja, uma reação do organismo à situações de luta ou fuga, ele é bom, especialmente em circunstâncias em que o organismo tem de esboçar uma reação física, como no caso de uma competição: atletismo, futebol, tênis, etc. Nessas situações o organismo libera substâncias que aumentam os batimentos cardíacos, eleva a pressão arterial, aumenta o fluxo sanguíneo nos músculos, melhora a oxigenação cerebral, aumento o tônus e a força muscular.
     E quando o estresse é ruim? Ele se torna danoso quando este mecanismo de liberação dos hormônios do estresse não é desligado, quando começa a se manifestar no organismo sinais e sintomas do estresse propriamente dito. O nosso organismo para estar em plena saúde, necessita estar equilibrado sob vários aspectos: físico, mental, endócrino, emocional, espiritual, etc. Se vivermos sob alta freqüência, em ritmo muito acelerado, além dos nossos limites orgânicos (isto é pessoal), podemos estar propensos aos sintomas do estresse e consequentemente expondo o nosso organismo às doenças.

     A definição clássica do estresse é: uma reação do organismo à situações de luta ou fuga; outra definição aceita é de que o estresse é uma condição intermediária entre o estado de saúde e o de doença; o conceito mais atual é de que qualquer atitude em excesso pode se transformar em um agente estressor, ou seja, agente causador de estresse.
     Um dos primeiros sintomas do estresse são a ansiedade, a irritação e a preocupação excessiva, seguidos pela falta de memória , dificuldade de concentração, cansaço persistente, distúrbios no sistema digestivo (diarréias, gastrite, constipação), diminuição na qualidade do sono, insônia, sono agitado, pesadelos, cervicalgias tensionais, lombalgias, torcicolos freqüentes, dor no pescoço associado com cefaléias, aumento do tônus muscular favorecendo as lesões por esforços repetitivos, ranger dos dentes, taquicardia, hipertensão, e desânimo.
     E como a acupuntura pode reduzir o estresse?
     A acupuntura induz a produção de hormônios anti-estressantes: as encefalinas, endorfinas, serotonina, e dopamina, que neutralizam os hormônios do estresse: a adrenalina e o cortisol, produzindo uma sensação de bem estar geral, benefício analgésico, antiespasmódico, relaxante muscular e efeito calmante. A sua atuação permite diminuir a freqüência cerebral, onde o indivíduo consegue atingir um relaxamento profundo, melhora da capacidade pulmonar, aumento da reexpansão pulmonar (amplitude torácica), melhor oxigenação tecidual e cerebral, melhora do aporte sanguíneo, facilitando a eliminação das substâncias tóxicas do organismo.
As terapêuticas orientais, estão fundamentada na Lei do Equilíbrio, o Taoísmo, na qual as duas formas de energias que são opostas interagem entre si e se complementam, o Yang (+) e o Yin (-). O organismo humano trabalha numa troca constante com o meio ambiente, numa simbiose perfeita, num equilíbrio dinâmico. Qualquer interferência extremada poderá causar a quebra dessa conjunção gerando a desarmonia e os conflitos. Desse modo as influências externas comprometem diretamente o funcionamento dos nossos sistemas orgânicos.
     Sendo toda forma de excessos uma maneira de se estressar, procure respeitar o seu limite pessoal, procure "ouvir" o seu organismo, ele te manda sinais de que algo não vai bem contigo através de sintomas. Seja ponderado no trabalho, nas atividades físicas, na alimentação, nas emoções e sentimentos. A Lei do equilíbrio ainda é a melhor maneira de preservar a boa saúde. Existe uma frase chinesa que diz: "Não adianta cavar um poço apenas quando se tem sede" . Portanto preserve a tua saúde a cada hora, a cada dia, pois se a perderes, poderás nunca mais encontra-lá.

Dr: Flavio Hashimoto
Especialista em Acupuntura pela ABA (Assoc. Brasileira de Acupuntura)
Associado ao ISMA-BR

 Voltar ao topo

 
  Distúrbios e enfermidade mais comumente tratáveis pela acupuntura
 

     A seguir uma lista com alguns exemplos de distúrbios e doenças tratáveis com excelentes respostas ao tratamento pela Acupuntura:

     -Dores agudas e crônicas de origem reumática;
     -LER(Lesão de esforços repetitivos), tendinites, bursites, tenossinovites, epicondilites, fibromialgias, miosites, artrites, e artroses.
     -Dores espasmódicas da musculatura lisa (cólicas renais e biliares, cólicas uterinas, espasmos de estômago e intestinos)
     -Dores traumáticas (contusões, torções, distensões)
     -Espasmos de músculos estriados (contraturas, câimbras, torcicolo, cérvico-braquialgias, lombalgias, etc.);
     - Nevralgias ( ciática, trigêmeo, intercostais, etc.), paralisia facial.
     - Cefaléias e enxaquecas, labirintites (por tensão nervosa);
     - Urticárias e pruridos generalizados, dermatites (fundo emocional)
     -Transtornos psicossomáticos: ansiedade, insônia, tensões emocionais, irritabilidade, etc.
     - Tabagismo, e obesidade (controle da ansiedade - compulsão )

     Em muitas patologias e distúrbios funcionais a Acupuntura atua com excelentes resultados por si só, em outras ela possui a sua ação como tratamento complementar, coadjuvante. A vantagem desta técnica é de não possuir efeitos colaterais, possuindo a sua contra-indicação em alguns casos: paciente muito debilitado, pacientes com distúrbios na coagulação sanguínea, alguns pontos em mulheres grávidas, e após uma refeição muito farta.

 Voltar ao topo

 
  Lista de Indicações da Acupuntura pela Organização Mundial de Saúde
 
LISTA DE INDICAÇÕES DA ACUPUNTURA PELA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS), PUBLICADA PELA REVISTA "A SAÚDE DO MUNDO", EM DEZEMBRO DE 1979

Doenças do Trato Respiratório

Sinusite aguda
Rinite aguda
Resfriado comum
Amigdalite aguda

Afecções broncopulmonares

Bronquite aguda
Asma brônquica

Doenças Oftalmológicas

Conjuntivite aguda
Retinite central
Miopia (em crianças)
Catarata (sem complicações)

Distúrbios da cavidade bucal

Odontalgia
Dor pós extração dental
Gengivites
Faringites agudas e crônicas

Distúrbios Gastrointestinais

Espasmos do esôfago e cárdia
Soluços
Gastroptose
Gastrite aguda e crônica
Hiperacidez gástrica
Úlcera duodenal crônica
Colites agudas e crônicas
Disenteria bacteriana aguda
Constipação
Diarréia
Íleo paralítico

Distúrbios Ortopédicos e Neurológicos

Cefaléias
Enxaqueca
Neuralgia do trigêmeo
Paralisia Facial
Paralisia Pós AVC
Neuropatia periférica
Paralisia causada por poliomielite
Síndrome de Menière (vertigem)
Disfunção neurogênica da Bexiga Urinária
Enurese noturna.
Neuralgia intercostal
Periartrite escapulo-umeral
Epicondilite lateral (tennis elbow)
Ciática, lombalgia (dor na coluna lombar)
Artrite Reumatóide.


Vale ressaltar que nesta lista estão distúrbios e enfermidades para as quais se tem comprovação científica da eficácia do tratamento pelo método, mas não são necessariamente as únicas doenças tratáveis pela Acupuntura .

 Voltar ao topo

 

 
  Afinal de contas... O que é ansiedade?
 

      As pessoas extremamente ansiosas são 25% mais propensas a desenvolver células malignas que podem resultar em algum tipo de câncer. A descoberta foi resultado de um estudo publicado recentemente na revista médica britânica New Scientist.

      Há autores que definem a era moderna como a Idade da Ansiedade, associando a este acontecimento psíquico a agitada dinâmica existencial da modernidade: sociedade industrial, competitividade, consumismo desenfreado e assim por diante.

      Diz-se que a simples participação do indivíduo na sociedade contemporânea já é, por si só, um requisito suficiente para o surgimento da Ansiedade. Portanto, viver ansiosamente passou a ser considerada uma condição do homem moderno ou um destino comum a que todos estamos, de alguma maneira, condicionados.

      Com certeza, até por uma questão biológica, podemos dizer que a Ansiedade sempre esteve presente na jornada humana desde os tempos da caverna até a era espacial. A novidade é que só agora estamos dando atenção à quantidade, tipos e efeitos dessa Ansiedade sobre o organismo e sobre o psiquismo humano, de acordo com as concepções da prática clínica, da medicina psicossomática e da psiquiatria.

1 - TRANSTORNO ANSIOSO

      Como a Ansiedade é uma grande mobilizadora de distonias (desarmonias) do Sistema Nervoso Autônomo, a sintomatologia do Transtorno de Ansiedade é rica em elementos físicos e vegetativos (internos e autônomos). Portanto, neste tipo de transtorno encontramos a sintomatologia psíquica e também a física.

      Sobre a sintomatologia geral, recomenda-se a observância de pelo menos SEIS dos seguintes 18 sintomas, quando freqüentemente presentes:
      01 - tremores ou sensação de fraqueza
      02 - tensão ou dor muscular
      03 - inquietação
      04 - fadiga fácil
      05 - falta de ar ou sensação de fôlego curto
      06 - palpitações
      07 - sudorese, mãos frias e úmidas
      08 - boca seca
      09 - vertigens e tonturas
      10 - náuseas e diarréia
      11 - rubor ou calafrios
      12 - polaciuria (aumento de número de urinadas)
      13 - bolo na garganta
      14 - impaciência
      15 - resposta exagerada à surpresa
      16 - dificuldade de concentração ou memória prejudicada
      17 - dificuldade em conciliar e manter o sono
      18 - irritabilidade

      Convém sublinhar que estes sintomas costumam estar relacionados ao estresse ambiental crônico. Além disso, essas características têm um curso flutuante, variável e com uma tendência a ficarem crônicos. Com certa freqüência a Ansiedade está associada à Depressão, à Fobia e também a outros sintomas emocionais, mas, nestes casos, deverá ser incluída em outras classificações.

      A Ansiedade passou a ser objeto de distúrbio no momento que o ser humano passou a considerá-la a serviço de sua existência e não mais a serviço de sua sobrevivência, como fazia antes. Por isso, o estresse passou a ser o representante emocional da Ansiedade, sua correspondência psíquica e egoicamente determinada. O fato de um evento ser percebido como estressante não depende apenas de sua própria natureza, como acontece no mundo animal, mas do significado que a pessoa atribui a ele, de seus recursos, de suas defesas e de seus mecanismos de enfrentamento. Isso tudo diz mais respeito à personalidade da pessoa que aos eventos do destino em si.

      No ser humano o conflito parece ser essencial ao desenvolvimento da Ansiedade. Em nosso cotidiano, sem termos plena consciência, experimentamos um sem-número de pequenos conflitos, interpessoais ou intrapsíquicos; as tensões entre ir e não ir, fazer e não fazer, querer e não poder, dever e não querer, poder e não dever, e assim por diante. Portanto, motivação fisiológica para o aparecimento da Ansiedade existe de sobra.

      Não se pode confundir Ansiedade com Medo. São emoções tão corriqueiras que os dicionários estão cheios de sinônimos. A principal diferença entre Medo e Ansiedade é que o Medo ocorre como uma resposta a um perigo real e a Ansiedade ocorre sem que qualquer tipo de perigo objetivo esteja presente. A Ansiedade é um estado emocional parecido com o Medo, porem dirigido para o futuro, desproporcional (a uma ameaça reconhecível) e que traz intenso desconforto físico.

      É possível lidar com a ansiedade usando de psicoterapias e/ou de tratamento famacológico. Além disso, algumas dicas, como as que são citadas aqui, têm se mostrado eficazes no controle da ansiedade. Perceber o problema é um grande passo, controlá-lo requer uma dose de persistência, paciência e muitas vezes ajuda profissional.

      1- Aprenda a Relaxar
      2- Respirar é algo tão automático na nossa existência que poucos imaginam o quanto este ato está relacionado a ansiedade
      3- Praticar esportes ou simplesmente caminhar são recursos úteis na diminuição da ansiedade e do estresse
      4- Evite café, cigarro, bebidas do tipo ~Scola~T e outros estimulantes
      5- Se você tiver interesse em técnicas de meditação, saiba que elas são extremamente úteis no controle da ansiedade
      6- Tenha pensamentos mais otimistas.

por Katia Cristina Horpaczky

 Voltar ao topo

 
  Acupuntura – A saúde pelo equilíbrio energético
 

      A Acupuntura e as demais modalidades terapêuticas orientais, tem como base a Filosofia Taoísta, a qual é regida pela Lei do equilíbrio, simbolizadas pelo Tao, símbolo das duas energias essenciais: o Yang e o Yin. Por essa concepção toda matéria é constituida por estas duas formas de energia, o positivo (Yang), e o negativo (Yin).
      O Yang é representada pelo sol, o fogo, o verão, o calor, a ação, a extroversão, a expansão; o Yin representa a lua, a água, o inverno, o frio, a meditação, a introspecção, a retração. São duas formas opostas de energia que juntas se complementam, a lei do equilíbrio.       Todos os fenômenos da natureza são evidenciados por estes dois pólos opostos de energia.
      No organismo humano estas duas energias conjugadas são denominadas de energia "CHI", ou energia vital, a qual irá banhar todos os órgãos, vísceras, e sistemas orgânicos. Esta possui caminhos, linhas longitudinais denominadas canais, passagens, ou meridianos. Os meridianos estão diretamente relacionados aos órgãos, as funções corporais, e as demais regiões do corpo.
      No indivíduo são, a energia vital circula sem bloqueios e as doenças serão conseqüência da má distribuição da energia "CHI". Analogicamente seria como se fosse um rio de energia circulante que percorre todos os órgãos e sistemas orgânicos, e que havendo um bloqueio no seu trajeto, algumas regiões estarão com excesso e outras com falta de energia. Tanto o excesso , quanto a falta de energia serão promotores de desarranjos metabólicos, que favorecerão o aparecimento de distúrbios orgânicos, levando as doenças.
      Existem duas formas básicas de agressões a energia vital:
      - Agressões externas: todas as formas de excesso, tais como o fumo, bebidas alcoólicas, alimentação em excesso, alterações climáticas (frio, calor umidade, vento, etc)
      - Agressões internas: as alterações emocionais em excesso, como por exemplo: a ira, a cólera, ataca o fígado; a depressão, a melancolia, agride o pulmão; o medo, o temor em excesso, interfere nos rins, etc.
      A Acupuntura consiste em desbloquear essa energia estagnada, restaurando o seu fluxo normal, ou seja, o equilíbrio energético. Um exemplo típico de excesso de energia é a dor. O acúmulo de energia leva a um excesso na função. Outro exemplo de excesso de energia são as contraturas musculares, este excesso leva consequentemente ao aumento da contração muscular, esta persistindo durante algum tempo começa a comprimir os vasos sanguíneos, diminuindo o fluxo sanguíneo. Esta baixa demanda ocasiona a má nutrição nos tecidos, favorecendo o acúmulo de substâncias tóxicas teciduais, tendo por conseqüência o surgimento da dor. Este mecanismo é muito evidente na musculatura posterior da coluna cervical (pescoço), o trapézio, estando presente em pessoas muito tensas, as quais poderão ter associado a este quadro dor de cabeça e tonturas.
      As recentes pesquisas científicas muito têm contribuído para uma maior compreensão da Acupuntura:
      - A estimulação de determinados pontos de Acupuntura induzem a liberação de endorfinas circulantes, promovendo a analgesia, ou seja, a diminuição da dor.
      - Alguns pontos promovem o relaxamento muscular, sanando espasmos, diminuindo a inflamação e a dor.
      - A Acupuntura ajuda a aumentar a resistência orgânica do indivíduo. Muitas pesquisas revelam ser possível o estímulo do hipotálamo, da hipófise e de outras glândulas hormonais que auxiliam a recuperação do paciente.
      - A liberação de susbstâncias anti-stressantes, sintetizadas no sistema nervoso centra; as encefalinas, endorfinas e serotoninas.
      - A Acupuntura regula e normaliza as funções orgânicas, melhorando o metabolismo central do indivíduo.
      O efeito placebo (falso remédio) e auto-sugestão foram por muitos anos invocados como estando envolvidos nos efeitos da Acupuntura, porém o resultado é evidente em animais e em crianças de baixa idade, as quais estão menos propensas a serem influenciadas.

Flavio Hashimoto

 Voltar ao topo

 
  Acupuntura – Saúde, bom senso e equilíbrio
 

      O que caracteriza o ser humano é o movimento.
      O que caracteriza o estado de saúde é o equilíbrio.

      A acupuntura é um método de tratamento que visa restabelecer o equilíbrio perturbado sobre todos os planos funcionais do corpo físico, mental e energético humano. Sua atuação visa reequilibrar a mobilidade energética presente no organismo, obtendo-se com isso a homeostase, ou seja, o retorno a saúde.

      Existem alguns modos de desequilibrar o funcionamento dos vários sistemas orgânicos:
As influências climáticas: ocorre a agressão dos circuitos energéticos, provocados pela exposição aos excessos climáticos, denominados de energias perversas. Exemplo: o vento-frio-umidade penetram os canais e os colaterais energéticos obstruindo a circulação energética na região lombar, ocasionando contraturas musculares, rigidez articular, diminuição da mobilidade, e o aparecimento da dor. Um dos mecanismos causadores da paralisia facial também é explicado como no exemplo citado. As síndromes dolorosas possuem o seu agravamento quando expostos ao vento-frio-umidade. A exposição excessiva ao calor, agride a energia do coração, levando a desmaios, febre alta, secura na boca e lábios, calor na pele, irritabilidade, enjôos, câimbras e convulsões. A face apresenta-se pálida, presença de sudorese, pressão baixa, e membros frios.

      Disfunções internas causadas pelos excessos físicos e mentais: o excesso nas atividades físicas e os estados emocionais exacerbados, alteram a harmonia energética produzindo o enfraquecimento físico e a diminuição da resistência orgânica, favorecendo o surgimento de vários sintomas. Exemplo: o indivíduo estressado apresenta vários sintomas, tais como: cansaço excessivo, palpitações (taquicardia), insônia, diminuição da concentração, diminuição da resistência orgânica, etc. O cansaço físico consome a energia do coração provocando sintomas de deficiência. Segundo os preceitos básicos da Acupuntura, coração controla o sangue, os vasos sanguíneos e a mente. Se o sangue do coração é insuficiente, este, torna-se mal nutrido, manifestando palpitações, inquietações, irritabilidade, insônia, delírios e amnésia.

      As alterações emotivas exacerbadas também interferem o mecanismo nutricional energético. Podemos exemplificar: A ira, a raiva, compromete o funcionamento do fígado, este órgão possui relação com os tendões, músculos, e ligamentos, por isso a deficiência energética do fígado pode ocasionar dores articulares (artrites), contraturas musculares e rigidez anormais nas articulações. A energia do fígado possui conexão com os olhos. Se a energia do fígado estiver insuficiente a visão torna-se turva, borrosa, e se estiver em excesso os olhos tornam-se vermelhos, edemaciados e aparecem dores oculares. A depressão relaciona-se com o pulmão; o medo, o temor com os rins e a bexiga; e a preocupação lesa o baço-pâncreas.

      A alimentação é a condição primordial para obter os nutrientes para a manutenção da vida, mas o desregramento na alimentação pode constituir-se num fator patogênico (gerador de doenças). A inconveniência alimentar deve ser analisada sob três aspectos: irregularidades na falta e no excesso, contaminação de alimentos e preferências a determinados tipos de alimentos.

      O trabalho normal contribui para promover a circulação de energia e de sangue. Mas, a fadiga, e o repouso excessivo podem converter-se em fatores patogênicos. A fadiga por excesso de trabalho consome em demasia a energia vital, provocando a falta de força, a lassidão dos membros, cansaço no falar, fadiga geral e respiração asmatiforme aos pequenos esforços. A fadiga mental causa dano ao coração e consome gradualmente a energia nutritiva, fazendo com que o coração e o cérebro fiquem mal nutridos manifestando-se em palpitações, amnésia, insônia e pesadelos. O repouso excessivo e a falta de trabalho manual e de esportes podem causar anormalidades na circulação de energia e de sangue, que circulam com dificuldade, levando a hipofunção do Baço/Pâncreas e do Estômago, a baixa resistência, além de anorexia; debilidade dos membros, depressão e de outras doenças secundárias.

      Respeitar as limitações pessoais, evitando toda e qualquer forma de excesso tanto física, mental, e emocional, são tópicos importantes para a boa saúde.       Mantenha a disciplina alimentar, atividade física regular, controle sua respiração, dosifique suas emoções, tenha um sono repousante, e harmonize-se com o meio ambiente. E por fim fortaleça o seu "eu interior" com mentalizações e orações positivas, reforce a sua espiritualidade, pois ela é a nossa resposta para as grandes questões da vida.

 Voltar ao topo

 
  A ACUPUNTURA E A DOR
 

      Os princípios básicos da Acupuntura surgiram da observação e do instinto do homem chinês, há mais de 4.500 anos. Ele percebeu que ao nos machucarmos, a nossa primeira reação é a de massagear o local atingido para acalmar a dor. A partir daí, os chineses começaram a especializar e instrumentalizar aquele gesto simples e manual. Foram criando instrumentos que se assemelhavam a rústicas agulhas, inicialmente feitas de pedras, espinhas de peixe, lascas de bambu, ossos e por fim os metais, o ouro e a prata.
Verificou-se que determinados pontos estimulados aliviavam a dor e provocavam estímulos a alguns órgãos, havendo a melhora de um sintoma. Associado ao pensamento taoísta os chineses descobriram que o nosso corpo possui meridianos, que são canais por meio dos quais se faz a troca de energia entre o meio exterior e o interior, e por onde ela circula no organismo. Essa energia, denominada Chi ou Ki, nutre todos os nossos sistemas orgânicos.
      A dor, segundo a Medicina Tradicional Chinesa, é o acúmulo de energia estagnada em determinada região do organismo, causada pelo bloqueio da energia Chi, oriundos de agressões externas (traumas, acidentes, fatores climáticos, e excessos em geral), e/ou agressões internas ( as emoções e sentimentos exacerbados), e em conseqüência deste represamento energético a região acometida apresentará dolorida, quente, avermelhada, inchada e sensível ao toque. Para se obter a diminuição da dor estimula-se os pontos da Acupuntura mais próximos a lesão, com a finalidade de desobstruir a energia acumulada, retornando a energia ao seu fluxo normal.
      O alívio da dor, analgesia, pela Acupuntura já foi desvendada pela comunidade científica. Sabe-se que os pontos da acupuntura possuem algumas particularidades, tais como: maior concentração de terminações nervosas, e menor resistência a passagem de corrente elétrica. Esses pontos quando estimulados pela acupuntura ou eletroacupuntura induzem o sistema nervoso central a produzirem substâncias altamente analgésicas: as endorfinas, a serotonina e a noradrenalina; estas possuindo também efeito relaxante e antiespasmódico. Outros pontos ativados liberam o cortisol, substância produzida pelas supra-renais, e que possuem efeito antiinflamatório.
Em lesões articulares e músculo-tendinosas, a estimulação de pontos de acupuntura próximos a lesão, induz a produção local de colágeno e elastina, auxiliando no processo de cicatrização tecidual. Resultados muito evidentes nas lesões crônicas, onde se evidencia um processo inflamatório persistente, dor e diminuição da capacidade funcional (diminuição do movimento e força muscular).
      No mundo ocidental a acupuntura tornou-se mais conhecida devido ao seu efeito analgésico para tratamento de diversas dores, as quais demonstrou ser de comprovada eficiência na maioria dos casos, dentre algumas podemos destacar: dores de cabeça, dores na coluna vertebral, dores articulares e musculares, entorses e contusões, e nevralgias. A acupuntura atua em todos os sistemas orgânicos, harmonizando e reequilibrando a energia Chi.
      No indivíduo são, a energia Chi circula livremente, sem interrupções, havendo uma boa distribuição dessa energia em todos os seus órgãos. As enfermidades serão evidenciadas quando houver um comprometimento da circulação do Chi nos meridianos principais.

Flavio Hashimoto

 Voltar ao topo


 

2007 Todos direitos reservados a Clinica Hashimoto · Fernando Abott 274 - sala 503 · Fone: (51) 3715-1785 · flavio.hashimoto@gmail.com